Diante um apresentadores

Dar uma palestra diante do público para explicar um projeto, uma ideia ou uma tese não é fácil, mas também não deveria ser uma experiência ruim. Com estas dicas, você aprenderá a fazer uma boa apresentação com o PowerPoint ou Google Slides, para deixá-la ainda mais dinâmica e cativar o público. Apresentadores da Band caem no choro diante de mortes nos bastidores ... Serão apresentados cerca de 20 depoimentos de seus apresentadores, ... particularmente, perdi um cara que eu passava ... Na CNN, um dos apresentadores, Wolf Blitzer, disse para o outro que se tratava de um “discurso muito forte”. — Forte é uma maneira de descrever isso— respondeu Jake Tapper, atônito. Como se tornar um bom apresentador de TV. Descontração, credibilidade e, acima de tudo, identificação com o público — os apresentadores de TV são, sem dúvida, expoentes das empresas de comunicação audiovisual. Ser um apresentador de programas traz muitas vantagens. A Record de Brasília demitiu quatro apresentadores em plena pandemia e um clima tenso foi instaurado nos bastidores da emissora O clima nos bastidores da Record de Brasília está cada vez pior. A situação, que já não era das melhores , se agravou ainda mais nesta semana, após o desligamento de dois importantes apresentadores da emissora ... Diante da polêmica, a Televisa demitiu os dois apresentadores, alegando que o assédio teria sido encenado. Na segunda-feira, a emissora publicou um vídeo em seu canal no YouTube em que os ... Os apresentadores Rafael Colombo e Daniela Lima, do CNN 360°, lamentaram o episódio de uma repórter da Globo que foi feita de refém por um homem com uma faca dentro da sede de jornalismo da emissora, no Rio de Janeiro.. A CNN interrompeu uma entrevista para dar a notícia sobre a repórter Marina Araújo. Curso rápido e prático, para apresentadores, , youtubers, advogados, médicos, políticos e quaisquer profissionais que queriam gravar seus vídeos e precisam se sentir confiantes diante das câmeras. Dar uma palestra diante do público para explicar um projeto, uma ideia ou uma tese não é fácil, mas também não deveria ser uma experiência ruim. Com estas dicas, você aprenderá a fazer uma boa apresentação com o PowerPoint ou Google Slides, para deixá-la ainda mais dinâmica e cativar o... Negão da BL foi cirúrgico”, comentou um usuário. “Adorei a mãe do Negão da BL segurando ele pra não dar uns tapas no apresentador”, brincou um segundo, enquanto vários outros comentaram sobre o posicionamento dos dois apresentadores diante da situação: “Queria desver”.

Coluna – Brasileirão com jogos adiados não anima torcedor

2020.09.09 16:41 futebolstats Coluna – Brasileirão com jogos adiados não anima torcedor

A série A do Brasileirão terá, a partir desta quarta-feira (9), a disputa da nona rodada. Mas só para 11, dos 20 times. E isso porque tivemos uma partida antecipada da 11ª rodada, o que significa que menos da metade dos participantes está com o número de jogos correto. E essa desordem não tem data para terminar, pois a CBF não sabe quando poderá realizar os confrontos adiados.
Eu acho um incômodo. O Atlético-MG, terceiro colocado na tabela, e o Vasco, quarto colocado, poderiam ser os líderes no momento, se estivessem com os mesmos oito jogos que o Internacional, time que aparece em primeiro lugar na tabela. Se prevalecesse o critério utilizado na classificação do Novo Basquete Brasil, por exemplo, o Galo deveria aparecer lá em cima, pois o aproveitamento dele é de 71,4% contra 70,8% do Colorado.
E de quem é a culpa? Em primeira instância, da pandemia, é claro. Mas, se olharmos com cuidado para as partidas adiadas, veremos que outros fatores intervieram. Na primeira rodada, por exemplo, os jogos Palmeiras x Vasco e Corinthians x Atlético-GO não aconteceram porque o Campeonato Paulista se estendeu até o início do Brasileirão. O jogo entre Bahia x Botafogo, por conta da final do Campeonato Baiano. Além disso, Goiás x São Paulo foi cancelado porque dez jogadores do time goiano testaram positivo para covid-19. Os jogos do Botafogo e do Corinthians foram remarcados para o dia 30 de setembro, mas os outros dois estão sem previsão.
Pela sexta rodada, Atlético-MG x Athletico-PR e Grêmio x Goiás também não aconteceram porque as equipes estavam envolvidas nas finais dos Estaduais. Problema de calendário. O Furacão, porém, assim como o São Paulo, já aparece com oito jogos na tabela porque a partida entre eles, prevista para a 11ª rodada, foi antecipada e já aconteceu. E não custa ressaltar – as duas partidas da sexta rodada também não têm, ainda, uma data para acontecer.
E por que essa indefinição? Porque, durante o Brasileirão, temos agora sete equipes envolvidas com a Copa Libertadores; outras cinco na quarta fase da Copa do Brasil; e duas na Copa Sul-Americana. A CBF, então, precisa esperar pelo futuro de cada um desses times para saber que dia poderá encaixar os jogos que faltam do Brasileirão.
Isso é lamentável. O principal campeonato do país vai seguir, ainda por um bom tempo, sem que a tabela – aquela que todos nós gostamos de olhar – possa ser vista com a realidade da classificação. Temos de fazer contas desde já.
Qual a solução? Como não podemos aumentar os números de dias dos meses, nem reduzir o período de tempo entre os jogos, a resposta é: não há solução. Infelizmente. O que facilitaria seria a eliminação dos times brasileiros das competições internacionais. E diante dessa opção, prefiro fazer contas imaginando se o rival do meu time vai ganhar ou perder o jogo que ele vai disputar sabe-se lá quando.
Por Sergio du Bocage, apresentador do programa “No Mundo da Bola”, da TV Brasil
O post Coluna – Brasileirão com jogos adiados não anima torcedor apareceu primeiro em Futebol Stats.
from Futebol Stats https://bit.ly/33fpkIO
via IFTTT
submitted by futebolstats to SiteFutebolStats [link] [comments]


2020.05.28 01:20 garliclover2 No Estado de SP as pessoal mal respeitam a quarentena e com essas discussões de flexibilização, agora sim que vão querer ir todo mundo pras ruas e o contágio vai disparar

Existe uma diferença entre quem realmente precisa sair e quem está saindo por lazer, por paranoia ou até mesmo por um pensamento suicida. A curva não desacelerou como era previsto e esses dias o Estado registrou o segundo dia com o maior número de mortes. Em partes, pela baixa adesão ao isolamento. Ainda não atingimos o pico.
Agora com esse plano de flexibilização, tem gente pensando que tudo está controlado, que basta usar máscara e álcool em gel que ninguém mais pega (mais uma vez aquela máxima que Brasileiro só enxerga o "ou dá certo, ou não dá certo" ao invés dos "percentuais de acerto"). E não ajuda o fato desta ideia ser indiretamente fomentada por apresentadores de TV como Datena e Bacci.
Assim como aconteceu em Blumenau, o número de casos vai disparar na capital com a reabertura dos shoppings e outros tipos de comercio. Veremos filas quilométricas de pessoas entrarem, o que causará aglomerações no lado de fora. Sem contar as pessoas que vão vir das cidades vizinhas, seja para retornar a trabalhar, seja para irem passear no comercio. Mesmo nesse período de pandemia, muitos que poderiam fazer comprar online vão preferir lotar as lojas pessoalmente.
Eu não duvido de vermos um lockdown na região metropolitana depois de uma explosão de novos casos. O apelo enfraqueceu e o papo do "Brasil não pode ter lockdown pois é muito pobre para isto" ganhou força. Muitos comércios já funcionam de maneira ilegal por conta da falta de fiscalização. Ao contrário da Itália ou da Espanha, não teve fiscalização ostensiva. E diria que hoje a maior parte da população de SP não quer mais isolamento social, mesmo sabendo que podemos passar por períodos de vai e vem do distanciamento social. Querem usar o "se pegar pegou, a gente é Brasileiro e não desiste nunca".
Não é querendo ser pessimista, mas difícil de ter otimismo diante destas circunstâncias. Poderemos ver facilmente 1k de mortos diários no Estado na pior das situações e situação parecida com do Estado de Amazonas. O jeitinho Brasileiro de burlar o que é certo para fazer o duvidoso matou e matará muitos.
submitted by garliclover2 to brasil [link] [comments]


2019.11.25 02:27 altovaliriano The Boiled Leather Audio Hour #83: "Que festim e quem são os corvos? com Jim McGeehin"

Boiled Leather é o podcast em que Sean T. Collins e Stefan Sasse se propõem a fazer "análises temáticas" de ASOIAF, Game of Thrones e outros assuntos. O programa foi criado em dezembro de 2011 e já conta com 137 contribuintes no Patreon, em assinaturas que variam de U$1 a U$75.
Neste episódio, Stefan recebe Jim McGeehin (que escreve no renomado blog Wars and Politics of Ice and Fire sob o nickname SomethingLikeALawyer) para debater sobre o significado do título do 4º livro da saga, "O Festim dos Corvos". A proposta é que ambos relacionem o enredo, os temas e os arcos dos personagens com a história de diversos períodos de guerra do mundo real.
------------------------------------------
Link: https://boiledleatheraudiohour.tumblr.com/post/183197915616/blam-83-what-feast-and-who-are-the-crows-with
Data de lançamento: 03/03/2019

O episódio começa e termina com anúncios de Stefan em volume mais alto do que o restante das gravações. A edição do áudio é possivelmente o maior defeito técnico do Boiled Leather. Mas fora isso, o áudio de Stefan é de boa qualidade e o de Jim é razoável. A música da vinheta de abertura é bem genérica.
A proposta do episódio é investigar o significado do título do livro. Como Stefan e Jim afirmam, Festim não era um dos três grandes títulos imaginados desde o começo (Guerra dos Tronos, Dança dos Dragões, Ventos do Inverno). Para eles, mais do que uma expressão com um som pomposo, o título do quarto livro das Crônicas de Gelo e Fogo parece ter um significado na narrativa.
Enquanto Jim especula que o título é uma referência à revoada de personagens pequenos (os corvos) que tentam pegar um pedaço dos legados de personagens mais politicamente relevantes (o banquete), Sasse completa que o livro é sobre as consequências da corrida política e a operação de limpeza da bagunça que as guerras causam.
Com Tywin, Joffrey, Oberyn, Lysa, Catelyn, Balon e Robb mortos no livro anterior, diversos personagens lutam durante Festim para encontrar um significado para suas jornadas. Nas Ilhas de Ferro, nas terras da Coroa, nas Terras Fluviais, em Braavos, no Vale e em Dorne todos colocados diante de direitos de herança e espólios.
Os apresentadores dizem que talvez seja essa a razão pela qual o livro desagrada, em primeira leitura. Não estamos acostumados, nas fantasias, a ler sobre a operação de limpeza que sucede aos conflitos. O resultado do conflito parece magicamente resolver tudo.
Achei muito interessante a comparação que Sasse faz destes personagens com a Geração Perdida dos países derrotados na Primeira Guerra Mundial. No mundo real, esta geração se mostrou incrivelmente suscetível a discursos extremistas que prometiam a ascensão a uma nova era de poderio inimaginável.
Segundo eles, isso acontece visivelmente nas Ilhas de Ferro. Enquanto Victarion tenderia a repetir os erros de Balon, e Asha mostrava-se crítica sobre os resultados da simples pilhagem do norte, Euron conclama todos a sonhar muito mais alto. Ele mostra artefatos mágicos, fala de dragões, presenteia com riquezas preciosas e o mundo como recompensa para as derrotas prévias. Uma vez que os planos de Balon eram estapafúrdios e que os homens de ferro só conhecem a pilhagem como modo de vida, o discurso do corvo Euron é atraente aos ressentidos.
Do mesmo modo, a Irmandade Sem Estandartes se converteu em uma seita de seguidores da morte, a serviço do espírito vingativo de Catelyn que somente tem interesse em aumentar a pilha de cadáveres. A idéia de justiça rapidamente virou a de retribuição e grande parte dos homens se tornaram corvos que prendem os corvos sob o legado de Robb nas Terras Fluviais, a saber: os Frey.
O podcast faz um capcioso paralelo entre os homens de ferro e a irmandade por ambos terem adotados caminhos que dão preferências à satisfação imediata, ao ganho fácil. Sasse e Jim, contudo, se dizer aliviados em pensar que esse é um jogo vazio e que, no longo prazo, as perdas não se equiparam aos ganhos para seus jogadores.
Uma das grandes coisas que achei no Boiled Leather é como eles citaram autores de livros sobre história do mundo real, assim como produções de outros blogueiros e podcasters. Por exemplo, eles lembra de um ensaio de Emmett Booth em que ele afirma que Festim dos Corvos serve para demonstrar como há diferenças entre o legado de Tywin e de Ned. Enquanto os corvos em Porto Real banqueteam sobre o primeiro em Porto Real, há gente no norte lutando voluntariamente em nome do segundo.
De fato, Stefan e Jim chamam a atenção para o fato de que a mentalidade Lannister nas Terras Fluviais é a de que ganhou, mas não levou. Depois de ser cúmplice na quebra do tabu do direito de hóspede, a autoridade do Trono e da Casa Frey somente é respeitada enquanto houver poderio militar sustentando-a. Como governar pela força é a forma segundo a qual Cersei enxerga o mundo, não surpreende os apresentadores que ela acredite que tudo se resolverá ocupando as Terras Fluviais.
Sasse lembra que, na Alemanha pós-Segunda Guerra, democratas alemães apresentavam planos para reconstrução social do país à medida que os americanos ocupavam o país. Contudo, os apresentadores não enxergam planos para as Terras Fluviais. E, diante do vácuo de autoridade (até diante da ausência do próprio Mindinho em Harrenhal), há espaço para oportunistas tentarem se tornar “reis por um dia”.
Os homens das Terras Fluviais não se rendem em massa, como os alemãos ao final da 1ª Guerra Mundial, afirma Stefan. Eles se rendem sem compromisso real, apenas por conveniência transitória. Eles citam Steven Atwell para explicar que Peixe Negro conseguiu se manter firme em Correrrio tão justamente porque, depois do casamento vermelho, ninguém pode mais confiar que Lannisters e Freys manterão sua palavra para nada. Daí tudo que eles recebem nas Terras Fluviais é falsa lealdade.
Na prática, seria necessária a observância da lição de Tywin sobre ser gentil com quem se rende a você, para que outros vissem que isso dá resultado (ASOS, Tyrion VI). Ocorre que Jaime tem violado essa regra ao desrespeitar aliados como Jonos Bracken, tendo em vista sua nova persona de cavaleiro justo. Uma gafe política, justificável diante da recente evolução do personagem, mas não menos perigosa por isso.
Por fim, o The Boiled Leather chama a atenção para dois tipos de corvos em Porto Real.
Os primeiros são os bajuladores que sobreviveram aos homens que lhe deram cargos e benesses. Segundo os apresentadores, é uma tendência que ocorre também com a morte de ditadores que cercaram-se de bajuladores no mundo real: quando os líderes morrem, a confusão começa. Em Westeros, eles não perderam tempo para se agitar, grande parte deles em volta de Cersei.
Os segundos são os homens da fé. Os apresentadores ressaltam o quanto era comum que a Igreja Católica medieval atuasse diante da vacância de poderes. A questão era que a situação já estava extremamente caótica sem eles, sendo bastante acidental sua aparição como agente de poder (graças a Cersei). Portanto, ainda seria incerto se eles são corvos ou apenas pardais.
Uma menção a Arya como parte de um grupo de extremistas religiosos chamou minha atenção. Eu nunca havia parado para pensar que a maneira como os Homens sem Rosto exigem a dissolução do indivíduo se assemelha ao recrutamento de células terroristas no mundo real. Ainda que saibamos que a organização não tem por finalidade o terrorismo, foi uma comparação interessante, que pode revelar que a Casa do Preto e do Branco também pode ser um abrigo de “corvos”.
Eu gostei bastante das análises de Stefan e Jim. Talvez porque eu esteja escutando muitos podcasts de releitura de capítulos ou análise de personagens, essa análise macropolítica e metalinguística me veio como uma experiência nova no” domingo de podcast”.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.10.08 05:02 altovaliriano Explique "Grande Conspiração Nortenha" (out/2019) - Sem sinal de ASOIAF (ago/1990)

Hoje eu quero iniciar o formato que acredito ser o ideal para analisar os arquivos do So Spake Martin (SSM) de Westeros.org.
Eu tentarei analisar os SSMs mais antigos em ordem cronológica e os mais recentes de forma retroativa, até que ambas as pontas um dia se encontrem no meio. Daí em diante, eu passaria a apenas a analisar os mais recentes.
---------------------------------
Mais recente: Entrevista à WGN Radio (04/10/2019)
Link no arquivo: https://www.westeros.org/Citadel/SSM/Entry/16162
Martin foi entrevistado por telefone por uma rádio de Chicago antes da sua visita na cidade (que deve estar ocorrendo enquanto falamos).
Os apresentadores começam falando sobre a carreira de Martin na ficção científica, comentam a dificuldades de interação com leitores hoje em dia e, por fim, perguntam como é ter Westeros noite e dia consigo durante a escrita.
Martin fala diz que quando a escrita está correndo bem, ele fica pensando em Westeros o dia todo, mas o momento em que as idéias mais lhe ocorrem é quando esta indo dormir. Que fica pensando na cena que vai escrever na manhã seguinte ou na semana seguinte e que os personagens tomam vida e ele chega a ouvir partes de diálogos.
Depois as perguntas se concentraram em Game Of Thrones. Martin disse que o alívio porque o show acabou é apenas parcial, em razão de agora não se martiriza tanto pensando que está atrasado em relação à HBO.
Quando um dos apresentadores critica os roteiros dos episódios da 5ª temporada em diante (especialmente em relação à última temporada), Martin responde bruscamente. Diz que ele vai terminar o próximo livro e que aí poderão ler a versão dele da história. Martin também não avança muito quando é perguntado sobre Bloodmoon (série sucessora de GoT sobre a Era dos Heróis, sob a responsabilidade de Jane Goldman), apenas frisa que a série é de autoria de Jane Goldman.
No final da entrevista, o apresentador fala que seus filhos falaram tanto sobre a "Grande Conspiração Nortenha" (uma teoria de fã que devo cobrir no futuro) que ele sabia que só teria paz quando pedisse para GRRM explica-la. Martin ri e diz que não comenta teorias de fãs, pois diz que há muitas por aí, e umas são verdade, outras não.
O programa é encerrado com os apresentadores falando mal da escrita de Dan & David e tirando sarro de Martin por ter sido brusco na resposta sobre o final de Game of Thrones.
------------------------------------------
Mais Antigo: Entrevista ao site Eidelon (01/04/1990)
Link: https://www.westeros.org/Citadel/SSM/Entry/1431
Nesta entrevista, vemos Martin responde perguntas sobre sua carreira na Ficção Científica e Horror, seu envolvimento com Hollywood (e o quão hesitante ele estava em voltar a trabalha lá depois de The Beauty and the Beast) e ele fala dos planos para o futuro.
O que é interessante sobre esta entrevista é que ela aconteceu antes que Martin começasse a escrever ASOIAF (em 1991) e vemos Martin avaliando um futuro que não incluía as Crônicas de Gelo e Fogo.
Confira abaixo a entrevista traduzida na íntegra:

E: Por que você começou a escrever?
GM: Bem, eu não acho que tenha decidido conscientemente me sentar um dia e dizer "Nossa, eu vou começar a escrever". De certo modo, eu sempre escrevi. Mesmo antes de poder escrever, eu sempre pensei em histórias e inventei histórias. Mesmo quando eu era criança e brincava, inventava personagens, brincava com tramas, brincava com histórias, contava histórias para as outras crianças. Portanto, não tenho certeza de que algo a que se chega depois de certa deliberação, é apenas algo que, pelo menos comigo, parecia automático; algo que eu nasci com.
Comecei a enviar minhas histórias e a publicá-las primeiro a nível de fã: nos tempos de escola durante a adolescência, eu era ativo no fandom de quadrinhos, que naquela época estava apenas começando nos Estados Unidos. Eu era um fã ativo de quadrinhos. Então publiquei em vários fanzines de quadrinhos e, finalmente, quando estava na faculdade, fiz minha primeira venda profissional.
E: Você é mais conhecido por escrever contos de ficção, e eu sei que escrever contos de ficção não compensa tanto quanto escrever romances. Por que você ainda escreve contos de ficção?
GM: Bem, às vezes eu só tenho uma história para contar que não tem o suficiente para ser um romance, e eu prefiro fazer um bom conto ou uma boa novela do que escrever um romance ruim e grande.
Na verdade, à medida que minha carreira progredia, minhas histórias tendiam a ficar cada vez mais longas. Quero dizer, acho que se você realmente olhar para a minha bibliografia, bem no início da minha carreira, escrevi principalmente pequenos contos. Faz vários anos desde que pude produzir um conto real e genuíno. Ou seja, algo curto [risos]. Embora eu escreva coisas com comprimento menor do que uma novela: venho fazendo muitas novelas e noveletas nos últimos anos.
E: Ainda é difícil vender novelas? Há uma maravilhosa história de horror em um dos livros de Stephen King sobre o quão difícil é vender novelas. Você acha isso?
GM: Não é difícil para mim vender novelas de ficção científica. Stephen King tem um nome gigantesco, é claro, mas mesmo ele está em uma posição um pouco estranha, pois é um escritor de terror; não há mercado para contos de terror, pelo menos não nos Estados Unidos. Existem algumas revistas semi-profissionais; ocasionalmente, a Revista de Fantasia e Ficção Científica publicará alguns, mas para as novelas de ficção científica ainda há um mercado bastante ativo, e foi uma novela, "Uma Canção para Lya", que virou uma das minhas principais histórias inovadoras no início de minha carreira. Ganhei meu primeiro prêmio Hugo, aqui na Austrália, na verdade; na Aussiecon One.
E: Você escreve muito horror hoje em dia. Por que? Pois só lhe vem histórias de horror ou porque acabou a graça da ficção científica?
GM: Bem, eu não diria isso. Eu gosto de fazer coisas diferentes. Há muitos tipos diferentes de histórias que quero contar. . . ficção científica, fantasia, horror, até mesmo algumas convencionais. Adorei histórias de horror quando jovem. Eu li muitas delas. Mas, por um tempo, a graça delas meio que acabou. Depois de ler tudo o que HP Lovecraft havia feito, na colégio, e ter experimentado alguns outros, realmente não consegui encontrar nenhum escritor de terror de que gostei. Eles não pareciam mais capazes de me assustar. Então eu meio que me afastei disso e, quando comecei a vender profissionalmente nos anos 70, eu estava lendo e escrevendo exclusivamente ficção científica. Mas acho que Stephen King produziu um genuíno renascimento do horror. Eu li e gostei de King. Muitas pessoas vieram no rastro dele, que eram imitadores e não eram tão bons, mas acho que ele provou que a ficção de terror ainda era viável. Eu tenho minha própria abordagem na ficção de horror, é claro. Eu não acho que isso se encaixa perfeitamente na categoria Stephen King. Há um parâmetro, o que eu chamaria de sensibilidade de "ficção científica", até mesmo para a minha ficção de terror.
E: Isso é extremamente lógico, extremamente bem explicado. . .
GM: Sim, há uma parte de mim que é muito Campbelliana em vez de Lovecraftiana, que acredita que realmente está dentro da capacidade da mente humana de compreender tudo, e meus protagonistas não são levados à loucura, como muitos de Lovecraft foram, por horrores grandes e incompreensíveis demais para eles imaginarem.
E: O que você acha do horror "moderno", da tradição do splatterpunk e do fato de os filmes estarem ficando cada vez mais violentos e cada vez mais bobos?
GM: Essa é uma pergunta muito ampla. Fiz parte de alguns painéis que falar sobre isso por algumas horas.
Certos aspectos disso me preocupam, na verdade. Permita-me aqui esclarecer que não sou a favor de nenhum tipo de censura; Eu sou bastante anti-censura. Eu sou o mais extremo que se pode ser sobre toda a questão da liberdade de expressão. Mas, no entanto, como leitor, lendo algumas dessas coisas, me perguntam o que eles querem dizem sobre a sociedade e a cultura norte-americanas, e me pergunto o que essa tendência significa, pois o horror se torna cada vez mais explícito e o foco muda, como tantas vezes acontece, para fazer do monstro o herói ao invés de vilão de grande parte de filmes de terror...
E: Eu lembro da frase em "The Skin Trade", em que um personagem atribui um assassinato a "alguém que já viu muitos filmes de Halloween e sexta-feira 13 ".
GM: Sim. Eu assisti a alguns desses filmes em que não apenas o que está na tela é perturbador, mas o comportamento de certos membros da platéia é muito assustador.
E: O que você está escrevendo agora? O que podemos esperar ver em um futuro próximo?
GM: Bem, no momento não estou no meio de nada importante. Continuo trabalhando na minha série Wild Cards , que é uma coisa contínua. No momento, estou trabalhando principalmente como editor, apesar de ter escrito metade do livro sete (que será lançado em agosto nos Estados Unidos). Esse é um mosaico de duas pessoas, eu e John Miller, por isso é essencialmente um romance colaborativo, do qual metade é meu.
Entreguei o livro oito e estou trabalhando na edição do livro nove, mas ainda não tenho histórias. Estou simplesmente trabalhando nisso como editor, e a série não para por aí. Até janeiro, é claro, eu estava trabalhando em no programa de TV A Bela e a Fera, mas que agora terminou, então eu assinei para fazer um filme de ficção científica de baixo orçamento (para fazer roteiro dele), mas não posso falar muito sobre isso. E estou testando algumas novas idéias de romance e tenho certeza que quando junho chegar (junho é tradicionalmente o mês em que a nova temporada de televisão começa em Hollywood) posso acabar recebendo ofertas para escrever ou produzir um novo programa de televisão. Eu teria que avalia-las, mas se eu voltaria para lá, eu não sei dizer. Depende do que tipo de show é, qual é a oferta, é algo que me interessa? Então, basicamente, tenho alguns meses de folga agora.
E: Um dos meus livros favoritos é oTuf Voyaging. A Locus [Magazine] anunciou há muito tempo que haveria um segundo livro,Twice as Tuf”. Eles estavam mentindo?
GM: Bem, eles não estavam mentindo. Pode ser que esse livro ainda venha, mas não será lançado tão cedo. Basicamente, eu assinei para fazer o Twice as Tuf e logo depois de assiná-lo, acabei trabalhando em Hollywood, primeiro em Além da Imaginação e depois em A Bela e a Fera , e isso ocupou muito do meu tempo. E o prazo chegou e foi embora e nós o estendemos várias vezes para Twice as Tuf e nada... Eu nunca tive tempo para produzir nada relativo a isso. Então, finalmente, cheguei a um entendimento com a editora, pelo qual lhes dei essencialmente dois dos meus direitos para brochura de dois outros livros, A Morte da Luz, meu primeiro romance, que eles acabaram de relançar, e direitos para brochura de uma de minhas coleções que nunca esteve foi impresso em brochura [Retrato de Seus Filhos - Ed. ], então eles farão uma edição desta também, e eles substituirão Twice as Tuf. Agora, eu ainda gostaria de escrever mais sobre esse personagem e ainda acho que vou retomar e fazer esse livro algum dia, mas exatamente quando esse dia chegará, eu não sei.
As demandas da TV quando estou trabalhando em um programa me mantêm bastante ocupado, e fazendo isso e os Wild Cards, eu não consigo dar conta de muita coisa. E agora que tenho um pouco de tempo para pensar em assumir outro projeto, não acho que a coisa "Tuf" seja a primeira coisa em que realmente me apetece entrar agora. Eu gostaria de fazer outro romance quando tiver tempo; um que não seja parte deu uma saga.
E: Você mencionou a Bela e a Fera e Além da Imaginação**.** Como é escrever uma série? Além da Imaginação deve ser bem diferente, pois é uma série antológica... Como foi sua experiência com isso, como você se envolveu e como foi?
GM: Bem, eu me envolvi nisso quase por acaso. Phillip de Guerre, que foi o produtor executivo de Além da Imaginação, também é um grande fã de rock 'n' roll, e há alguns anos atrás eu fiz um livro chamado The Armageddon Rag e Phil o selecionou para um filme. Naquela época, ele me levou para Hollywood, tive várias reuniões com ele para discutir o roteiro que ele planejava escrever para o filme de The Armageddon Rag e ele escreveu vários roteiros, mas nunca conseguimos fazer o filme ou conseguir financianciamento.
Mas eu conheci Phil no processo e, quando ele pôs Além da Imaginação em produção, resolvei arriscar e me deu um trabalho de roteiro, e gostou do resultado o suficiente para que, quando estavam com muito serviço, me trouxessem a bordo como Staff Writer (que é o único cargo de produção de Hollywood que contém a palavra "escritor" e, portanto, você sabe que é a posição mais baixa da cadeia, como de fato era). Então, comecei como redator em Além da Imaginação e subi até o Story Editore, em seguida, Executive Story Consultant. E, em A Bela e a Fera, eu fui Produtor e depois Coordenador de Produção.
Então, Alpem da Imaginação era bem diferente de A Bela e a Fera, de certa forma, porque um era um show antológico e o outro é uma série episódica semanal regular, e ainda assim os dois projetos tinham talvez mais em comum um com o outro do que qualquer outra coisa que eu já tenha feito, porque eles eram, afinal, a televisão, que é um mundo completo em si mesmo, e é diferente de qualquer experiência que um escritor possa ter, de verdade.
De certa forma, sinto que a televisão era boa para mim. Certamente foi bom para mim financeiramente [risos] e foi muito estimulante. Digo, eu havia sido um escritor independente por muito tempo antes de assumir esse emprego; trabalhando em casa, acordando todos os dias, levando duas horas para tomar minha xícara de café, entrar no escritório, ligar o processador de texto, talvez fazer alguma coisa, talvez não (Eu nunca fui um escritor muito disciplinado, e é por isso que minha bibliografia é comparativamente curta em comparação com alguns de meus contemporâneos).
Não é assim que Hollywood funciona. Você entra no escritório todos os dias, fica lá não por oito horas por dia, mas algo mais perto de dez, onze ou doze horas. Você está escrevendo, participando de reuniões, participando de sessões de apresentação, indo ao set, reunindo-se com o diretor ou o responsável. Então isto me impôs certa disciplina em mim; que era boa para mim e também extremamente estimulante. Digo, era um mundo totalmente novo para aprender, sobre o qual eu não conhecia nada antes, e isso me envolveu em algo que eu não tive por muitos anos; todo esse negócio de "ambiente de escritório", onde você realmente precisa entrar e interagir com outras pessoas.
Hollywood é um mundo estranho, mas, de certa forma, é o Mundo Real, e é bom para um escritor entrar em contato com o Mundo Real de vez em quando. Eu acho que um escritor que passa toda a sua carreira escrevendo romances a partir dos estudos que faz em sua casa (e talvez encontrando algumas pessoas em convenções ou ocasionalmente indo a um coquetel literário) perde de vista o mundo real, de como as coisas realmente são lá fora. E você começa a fazer muitas coisas auto-referenciadas, o que eu acho que é uma armadilha para qualquer escritor.
E: Você colaborou bastante durante sua carreira, fora o trabalho de televisão. Você gosta disso e como você faz?
GM: Cada caso é diferente. É como um casamento. Eu colaborei com Lisa Tuttle, Howard Waldrop, George Gutthridge. Com quem mais eu colaborei? Estou esquecendo alguém? [Risos.]
E: Bem, a televisão é colaborativa até certo ponto. Wild Cards é colaborativo, se preferir.
GM: Bem, com Wild Cards , estou funcionando mais como editor do que como colaborador, então isso é um pouco diferente. Cada uma das minhas colaborações era essencialmente diferente.
Aquele com Howard foi a primeira colaboração. Isso era basicamente: Howard e eu estávamos nos correspondendo há muitos anos, finalmente nos conhecemos em uma convenção em Kansas City, 1972, e devia ter algo errado naquela água ou algo do tipo porque decidimos "Ei, vamos fazer uma história juntos!" Então, enquanto todo mundo estava no Playboy Club no hotel de convenções servindo bebidas por coelhinhas voluptuosas, Howard e eu estávamos em nosso quarto de hotel com a pequena máquina de escrever portátil de Howard, martelando folhas de papel amarelo e, sabe, ele escrevia e ficava sentado atrás dele na cama e então ele parava e eu escrevia, e não produzimos muito coisa. Terminamos uma pequena parte, mas ele levou para casa, escreveu mais um pouco, enviou para mim e assim por diante.
Lisa e eu, éramos pólos opostos para começar. Ela estava no Texas e eu em Chicago quando começamos e depois em Dubuque, Iowa, e colaboramos principalmente através de e-mails, cada um de nós escrevendo uma seção, enviando-as para o outro, que reescreveria a seção anterior que o outro havia escrito e então avançaria um pouco mais além. Assim foi indo e voltando até que chegou um ponto em que eu não sabia mais o que Lisa havia escrito naquele livro e o que eu havia escrito. Ocasionalmente, uma frase se sobressaia como uma “frase de Lisa" ou uma frase minha, mas, fora isso, eu não saberia diferenciar.
A coisa com George Gutthridge, era uma história muito velha. Na verdade, foi uma das primeiras histórias de ficção científica que eu escrevi, que foi recusada várias vezes e que eu nunca fui capaz de vender. Anos depois, George pegou-a e reescreveu. Portanto, minha escrita foi feita no final dos anos 60, e ele a dele foi feita uma década depois.
E: Nightflyers foi transformado em filme há alguns anos atrás. O que você achou do filme? Foi bem diferente da sua história.
GM: Bem, acho que eles foram cerca de 75% fiéis, mas, infelizmente, os 25% que eles mudaram tiveram uma espécie de efeito cascata e fizeram com que os 75% que não foram alterados não fizessem tanto sentido quanto poderia ter. Eles fizeram algumas mudanças que eu aprovo e gostei e outras que não entendi e não gostei.
Eu acho que o filme teve algumas coisas boas - direção de arte adorável, efeitos especiais maravilhosos, considerando o orçamento que era minúsculo (sim, eles não têm os efeitos especiais de Guerra nas Estrelas, mas para um filme de três milhões de dólares - o que ele era - fizeram um trabalho muito impressionante) e tiveram algumas boas interpretações secundárias - mas no geral não acho que funcionou. Infelizmente.
E: Você tem outros projetos de filmes que possam ir adiante, em um futuro próximo?
GM: Eu tenho interesse constante em "Sandkings". Ele está sempre sendo selecionado. E tem havido algum interesse no Fevre Dream. E Phil ainda está ocasionalmente fuçando e conversando sobre O Armageddon Rag. Mas se alguma dessas coisas realmente vai acontecer, eu não seria capaz de afirmar.
E: Quem o inspirou como escritor? Quem são seus escritores favoritos?
GM: Há muitos escritores que eu gosto. Acho que aqueles que realmente tiveram mais efeito sobre mim foram provavelmente os escritores que li quando jovem. Costumo pensar que essas influências, que você absorve a nível subconsciente antes mesmo de sonhar em escrever, são as influências duradouras. Quero dizer, eu cresci lendo Andre Norton, lendo Heinlein Juveniles, lendo Eric Frank Russell (que eu acho um autor maravilhoso, mas que é por demais esquecido, infelizmente). Lovecraft: quando descobri Lovecraft, fiquei encantado por ele, por razões que tenho certeza de que eu entenderia se ainda tivesse quinze anos [risos].
Hoje em dia, meus escritores favoritos são uma lista diferente. Sou um grande admirador de Jack Vance. Eu não sei se Vance teve. . . Vance exerceu grande influência em Haviland Tuf, que começou na primeira história, "Uma Fera para Norn", como uma tentativa muito consciente de escrever uma história ao estilo "Jack Vance", e se você olhar em "Uma Fera para Norn", sou eu muito arduamente imitar Vance. E há ainda outras partes de Tuf que são muito Vancianas. Mas, fora isso, não acho que Vance tenha tido um efeito profundo na minha escrita. Eu leio muito fora deste ramo hoje em dia. Pessoas como Larry McMurtry, William Goldman, Pat Conroy. Essa é uma lista longa. Eu poderia dar nomes aqui o dia todo.
E: Como começou a série Wild Cards**?** Eu ouvi uma mito sobre isso.
GM: Bem, na verdade começou como um jogo de RPG. Há um grupo de escritores em Albuquerque que ocasionalmente jogam juntos, e eles me arrastaram para algumas de suas atividades. Então, eu joguei vários jogos com eles e eles sabiam que eu era um velho fã de quadrinhos desde a infância. Então, em um ano, no meu aniversário, Vic Milan me deu um jogo de RPG de super-herói chamado Superworld, da qual me tornei o Mestre. E pelo menos metade das pessoas em nosso grupo de jogadores eram escritores profissionais com histórias publicadas. Então eles criaram personagens realmente maravilhosos, e como Mestre eu criei mais personagens do que qualquer outra pessoa. E jogamos esse jogo incessantemente por um ano e meio e colocamos muita criatividade e desenvolvimento nos personagens. Neste ponto, eu finalmente disse, sabe, deve haver alguma maneira de ganharmos dinheiro com isso [risos].
Não, me ocorreu que seria uma excelente série de antologias em um mundo compartilhado, seguindo o modelo de Thieves World . Então, reunimos pessoas, conversamos a respeito, e talvez de meia dúzia a uma dúzia dos personagens foram incorporados. Agora, para deixar claro, não acredito apenas em botar no papel as aventuras dos jogos. Me parece uma boa maneira de obter uma ficção realmente ruim. Digo, jogos são divertidos, mas não são livros. Portanto, muitos de nossos personagens, embora tenham suas raízes no jogo, foram substancialmente alterados e adaptados na transição. Além disso, muitas pessoas envolvidas em Wild Cards não eram membros do jogo. Quero dizer, começamos com o núcleo dos escritores de Albuquerque, mas entrei em contato com muitas pessoas como Roger Zelazny, Howard Waldrop, Pat Cadigan, entre outros - que não faziam parte do grupo de jogos - mas que eu sabia que tinham algum carinho por heróis pulp ou heróis de quadrinhos, todo o conceito de superpotências e que eu pensei que seriam capazes de contribuir com algumas coisas interessantes para a série.
E: Para novos escritores em geral, algum conselho?
GM: Acho que este é um momento difícil para alguém que está estreando. Digo, o início dos anos 70, quando entrei, foi um período muito mais favorável.
O mercado de contos ainda está aberto. Digo, Asimov, Analog, F & SF estão constantemente procurando novas pessoas, porque você não consegue ganhar dinheiro suficiente com elas [as revistas de contos], então as pessoas tendem a não ficar por muito tempo. Ainda é o melhor lugar para estabelecer uma reputação. Eu acho que estabelecer uma reputação nesta época em que há tantos escritores... tornar seu nome algo que os leitores vão lembrar e procurar é uma das coisas mais importantes.
Uma das coisas mais inteligentes que fiz na minha carreira, que fiz por acidente - certamente não planejei – foi não escrever um romance nos primeiros cinco ou seis anos. Porque então, quando o romance foi lançado, não era apenas o romance de alguém que ninguém havia ouvido falar, era o tão esperado primeiro romance de George R. R. Martin, o vencedor do Hugo! Isso me proporcionou um pagamento adiantado muito maior, teve uma certa quantidade de hype, foi resenhado em todos os meios, teve visibilidade. E a maneira como conseguiu essa visibilidade, é claro, foi nas revistas: tendo não apenas um conto ocasional, mas tendo muitos contos [publicados] naqueles primeiros anos. Houve meses em que três revistas foram publicadas, todas com uma de minhas histórias nelas: histórias de capa. Assim, estas vendas iniciais de contos às revistas ainda são um dos melhores jeitos de se fazer isso.
A longo prazo, é claro, você precisará passar para romances se quiser ganhar a vida como escritor profissional em tempo integral. E essa é a parte que está se tornando cada vez mais difícil, principalmente se você é um escritor sério e com ambição. Digo, eu vejo o mundo de Hollywood com o qual lido, e o mundo dos livros de onde venho, estão ficando cada vez mais parecidos a cada ano que passa, e não é Hollywood que está mudando. Os editores de livros estão se tornando cada vez mais voltados para a ficção comercial, para os resultados. Assim, enquanto a empresa estivesse lucrando, eles bancariam um bom autor por alguns anos e alguns livros até que ele encontrasse seu público e estabelecesse sua reputação. Agora, se o seu primeiro livro não ganhar dinheiro, você terá muita dificuldade em vender o segundo. Digo, esta é a situação atualmente. Muitas pessoas dizem que é realmente muito bom comercialmente vender um primeiro romance. Mas se esse primeiro romance não se provar um David Eddings ou um Stephen Donaldson, é comercialmente terrível por a venda seu segundo romance.
E: Tendo participado de Alpem da Imaginação e Wild Cards , você acha que o "mundo compartilhado" está se tornando uma tendência séria ou você acha que é apenas uma fase pela qual estamos passando?
GM: Bem, acho que há um pouco de ambos. Não acho que antologias funcionaram na televisão, o que é uma coisa a lembrar. Veja, Além da Imaginação foi um fracasso, nem um pouco tão bem-sucedido quanto o programa original, que foi de certa forma um programa periférico por cinco anos, por mais aclamado que fosse (e foi um programa maravilhoso que assisti religiosamente quando criança). Em algum momento dos meus discursos aqui [em Danse Macabre] eu acho que vou falar um pouco mais a respeito, mas esta entrevista não será publicado antes do evento, então, apenas adiantando assunto: eu acho que. . . todas as formas de ficção, todas as formas de entretenimento estão se movendo cada vez mais para as séries. Quero dizer, vemos pessoas em nosso ramo olhando para ele com uma visão muito restrita e dizendo "O que está acontecendo com a ficção científica? Essas malditas séries!". Não está acontecendo apenas na ficção científica, está acontecendo com todas as formas de ficção. Está acontecendo na televisão, onde os programas de antologia não conseguem ter sucesso e as pessoas querem programas de séries. Está acontecendo nos filmes, onde você tem Rambo IV e Rocky IX . Qualquer coisa que faz sucesso retornará com em um “II”, no final.
E: Quem você culpa? Você culpa a televisão ou. . .
GM: Não, eu não culpo a televisão. Eu acho que parte disso é a evolução da nossa cultura. Ainda estou procurando algumas explicações sobre isso; não tenho todas ainda. Portanto, isso não é conclusivo como em um artigo acadêmico, mas eu tenho o começo de algumas teorias a respeito. Não sei o suficiente sobre a Austrália para falar sobre a cultura de vocês com qualquer autoridade; eu sempre pensei nisso em termos de Estados Unidos.
Se você olhar para o romance: quando o romance foi concebido, era. . . o próprio nome denota novidade - "o novel", é uma coisa nova, derivada da raiz latina. Mas o romance foi apresentado em um momento em que a sociedade era muito estática, onde as pessoas nasciam em uma cidade pequena e talvez nunca tivessem ido a mais de 48 quilômetros dela (a menos que entrassem em guerra). Quero dizer, as pessoas nasciam na Inglaterra, a cem milhas de Londres; e nunca viram Londres. Eles viveram e morreram sem vê-la. Eles exerciam o ofício que sua família exercia, eles se casavam com a garota da casa ao lado, permaneciam casados ​​com ela por toda a vida, criavam filhos que efetivamente assumiriam o comércio quando eles morressem. Nesse mundo, os romances, com sua promessa de novidade, eram um sopro de ar fresco. Eles o levariam vicariamente a lugares que você nunca iria. Eles o apresentariam a uma gama muito maior de pessoas. Se você estava entediado com as dezessete pessoas que você via todos os dias em sua aldeia, eis aqui outra pessoa que você conheceria, e todos eram novos.
Agora, você olha o que existe nos Estados Unidos. Quando falamos sobre a América hoje, você tem uma sociedade completamente móvel. Digo, eu olho para minha própria vida. Nasci em Bayonne, Nova Jersey. Fui para a faculdade nos arredores de Chicago, que fica a milhares de quilômetros de distância, deixando pra trás todos os meus amigos em Bayonne, perdendo o contato com eles, fazendo novos amigos na faculdade. Eu me mudei . . . na verdade, fui para a escola em Evanston, ao norte de Chicago, e depois me mudei para Chicago [enquanto] meus amigos da faculdade se espalharam por todos os Estados Unidos, e eu conheci outro grupo de pessoas enquanto trabalhava nos meus primeiros anos em Chicago. Ensinei na faculdade em Dubuque, Iowa, novamente me mudando, e depois fui para Santa Fe e depois para Los Angeles. Então, eu estou com quarenta e poucos anos e tive cinco grandes movimentos de milhares de quilômetros na minha vida, o que geralmente significa ter tido um conjunto completamente diferente de amigos. Tive várias carreiras diferentes: ensinei em faculdade, fiz torneios de xadrez, fui escritor, fui roteirista de televisão (o que é diferente de ser escritor de livros). Eu fui casado e divorciado e já estive em vários outros relacionamentos. (Agora estou em um relacionamento há bastante tempo). E sou estável em comparação com algumas pessoas! Quero dizer, há imensa mobilidade em curso.
Eu acho que essa atual é uma cultura em que nada é estável. Ou seja, passa o mais longe possível da cultura que produziu o romance. Digo, sua profissão não está definida, as pessoas estão sempre mudando-a durante a vida. Eles chegam aos quarenta e cinco e decidem: "Bem, eu não quero mais ser advogado, apesar de ter sido treinado para isso a vida toda. Agora, quero navegar de barco pelo mundo". Eles se casam, se divorciam, perdem contato com todos os amigos. As famílias nem ficam mais em contato. Assim, a ficção, que nos fornece vicariamente as coisas que não recebemos na vida, a ficção nos dá estabilidade. Digo, vinte anos podem ter se passado, você pode ter um emprego diferente, você mora a duas mil milhas de onde começou, é casado com alguém diferente, mas Star Trek ainda é o mesmo. Você pode voltar lá, e aqui está esta pequena ilha onde Kirk e Spock ainda vão discutir um com o outro, e eles são quase como que amigos seus, com quem você sempre pode contar para estarem lá. Você não irá ligar para um amigo antigo - e ele se transformou em alguém que você não conhece. Kirk nunca se transforma em alguém que você não conhece. Ele sempre permanece sendo Kirk. E o que eu consigo perceber sobre o sucesso das séries, mesmo dentro do ramo, está sempre relacionado aos personagens. Existe uma relação muito forte com os personagens. Digo, se você participa de um painel chamado Writing the Science Fiction Novel, você recebe perguntas gerais da platéia sobre "Como eu vendo meu romance?" [e] "Como começar quando se escreve um romance?" Você nunca recebe perguntas específicas sobre o livro. Se você aparece em painel sobre Wild Cards ou Thieves World, você recebe perguntas como: ​​"Eu não gosto do que você fez com Hiram Worchester. Quando você vai ajudá-lo?" ou "Você vai dar um descanso para o Tartaruga?" ou "Por Deus, eu não suporto esse tal de Fortunato. Ninguém vai dar um soco na boca dele?" Digo, as pessoas formam esses relacionamentos intensos de amoódio com determinados personagens, e acho que isso é acontece com todas as séries.
E: Muito obrigado.
GM: Claro, o prazer é meu.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.07.26 18:18 altovaliriano O nexo entre dragões e armas nucleares

Link: https://bit.ly/2JTfFOs
Autor: @Westmyer (gerente de projeto de segurança nuclear na CRDF Global, apresentador do Super Critical Podcast, aluno do Security Study Program da Georgetown University).

Na superfície, Game of Thrones é apenas mais uma série de TV a cabo com batalhas, traições na corte e personagens pouco (ou não) vestidos. Mas ele contém sentidos mais profundos no que concerne a um número inesperado de lições para a vida real sobre paz e segurança. Comentaristas de instituições como a Fletcher School of Diplomacy, Foreign Policy e o Atlantic.com escreveram sobre como este show da HBO - baseado na épica série de fantasia de George RR Martin, As Crônicas de Fogo e Gelo - ajuda a explicar as relações internacionais no mundo real.
Um paralelo, no entanto, escapou a análise: os dragões como metáforas vivas e igníferas para as armas nucleares. Apesar do cenário de fantasia, a história ensina muito sobre os perigos inerentes que vêm com o gerenciamento desses subversivos expedientes, sua propensão para acidentes, os benefícios circunstanciais que concedem aos seus mestres e a tensão que essas armas impõem sobre aqueles que os manuseiam.
"Os dragões são o dissuasor nuclear, e apenas [Daenerys Targaryen, uma das heroínas da série] os tem, o que de certa forma faz dela a pessoa mais poderosa do mundo", disse Martin em 2011. “Mas isso é suficiente? Esses são os tipos de problemas que estou tentando explorar. Os Estados Unidos têm agora a capacidade de destruir o mundo com o nosso arsenal nuclear, mas isso não significa que podemos alcançar objetivos geopolíticos específicos. O poder é mais sutil que isso. Você pode ter o poder de destruir, mas isso não lhe dá o poder de reformar, melhorar ou construir”.
Isso cria uma perspectiva sombria. Ou, como um personagem adverte repetidamente no primeiro episódio: "O inverno está chegando".

(Alerta de spoilers)

Dragões 101. Antes de prosseguir, o bê-á-bá dos dragões: Na concepção de Martin, os dragões são criaturas voadoras que vomitam fogo quente o suficiente para derreter aço, concreto e carne. Aqueles que os domesticam podem montar seus animais em batalha como armas de guerra quase invulneráveis. Um dragão nunca deixará de crescer “desde que tenha comida e liberdade” - assim como os arsenais nucleares crescem continuamente, em tamanho e letalidade, desde que tenham orçamentos inesgotáveis.
Na história, os dragões foram extintos antes que a exilada Daenerys os rearma-se, descobrindo como chocar três dragões a partir de ovos antigos, da mesma forma que os físicos descobriram como liberar o poder das forças elementares do universo. E, assim como as armas nucleares, os dragões não têm o monopólio da violência. Morte e sofrimento ocorrem em escala maciça sempre que as guerras convencionais assolam a terra, transformando jovens soldados em homens despedaçados e tratando a plebe como danos colaterais.
Mas, como o teórico militar Thomas Schelling escreveu em Arms and Influence, a destruição inerentemente acelerada separa as armas nucleares dos instrumentos de guerra usuais. Schelling sugeriu que “esta é a diferença entre armas nucleares e baionetas. Não é no número de pessoas que podem eventualmente matar, mas na velocidade com que pode ser feito ...”. Da mesma forma, a destruição em massa que acompanha o fogo do dragão os torna semelhantes a aviões bombardeiros pesados com cargas nucleares. Isto é especialmente verdade quando o objetivo é montar sua fera alada em batalha, tal qual o piloto de B-52 cavalgando uma bomba nuclear em Dr. Strangelove .
Tanto dragões quanto armas nucleares oferecem a seus donos uma defesa aparentemente barata. “Alguns países podem achar as armas nucleares uma alternativa mais barata e segura de concorrer nas economicamente lamentáveis e militarmente perigosas corridas armamentistas”, escreveu Kenneth Waltz em The Spread of Nuclear Weapons. Com apenas três dragões e menos de 2.000 combatentes, Aegon (o Conquistador) Targaryen já havia colocado a maior parte de um continente sob seu governo, sem tempo ou tesouro desperdiçado com reunião de tropas ou construção de frotas e armamentos. Os programas nucleares também são atraentes para os líderes que estão buscando o maior retorno para o dinheiro investido - ou “veado”, como a série chama a moeda corrente.
A tríade tem três cabeças. Profecias sobre o futuro, feitas por sábios eminentes ou em sonhos misteriosos, desempenham um papel fundamental na vida dos personagens da série. Seja um produto de orientação divina ou um ardil cínico, essas predições dirigem as ações dos personagens e, portanto, influenciam as mudanças nos rumos dos próximos eventos. Interpretar qualquer determinada profecia com precisão, entretanto, se mostra difícil, diante do descarte equivocado de certos fatos; as notícias do renascimento dos dragões, por exemplo, são desconsideradas. Por outro lado, rumores falsos podem ser erroneamente (ou convenientemente) aceitos como verdades absolutas - muito parecido com os relatórios de inteligência do governo Bush sobre supostas armas de destruição em massa no Iraque.
De forma similar, em uma visão durante seu exílio, a jovem Daenerys é informada de que “o dragão tem três cabeças”, levando-a a refletir sobre Aegon, o Conquistador, e suas irmãs montando um trio de dragões na batalha. Isso traz à mente a tríade nuclear dos Estados Unidos, com seus sistemas de distribuição separados baseados no ar, submarinos e terrestres. O atual ambiente orçamentário levou muitos especialistas a considerar fazer cortes na tríade. Entretanto, a resistência é forte entre alguns sábios nucleares, que advertem que o arsenal sempre deve ter três cabeças, caso uma delas seja impedida por falha do sistema ou decapitada por um ataque preventivo.
Outra maneira de interpretar a visão de Daenerys é como a necessidade de buscar aliados para compartilhar o fardo. Assim como Daenerys procura os cavaleiros de dragões para ajudá-la a conquistar o Trono de Ferro, os planejadores de defesa dos EUA tentaram impedir a agressão convencional soviética durante a Guerra Fria, trabalhando em estreita colaboração com os aliados da OTAN. Acordos de compartilhamento nuclear, alianças e ajuda aos programas de armas nucleares britânicos e franceses ajudaram os EUA a montar um dragão de três cabeças para enfrentar o urso soviético.
Dissuasão com dragões. A posse de uma ogiva nuclear não confere automaticamente uma dissuasão efetiva. O possuidor também deve ter os meios para atirar a arma em um alvo, detoná-la no tempo e lugar certos, comunicar intenções aos rivais e proteger seu arsenal de ataques.
Após nascerem, os dragões de Daenerys são frágeis e incapazes de voar grandes distâncias ou de soltar fogo com rendimentos mais altos. Durante seu estágio infantil, seus dragões se comportam mais como armas nucleares táticas do que aquelas adequadas para uma missão estratégica; eles são profícuos apenas em um teatro restrito, como dentro de um espaço fechado. Até que seus bebês-dragões se tornassem mais fortes, eles eram vulneráveis ao aço ou roubo. No entanto, enquanto pudessem sobreviver a um ataque preventivo, poderiam dissuadir o conflito, muito parecido com o que Waltz escreveu sobre pequenas forças nucleares. À medida que os dragões envelhecem, suas escamas endurecem para proteger contra flechas, assim como os silos de mísseis balísticos intercontinentais acabaram sendo fortificados contra tudo, exceto a uma explosão direta no solo. Essas são lições que todo jovem Estado nuclearmente armado precisa aprender.
A dissuasão nuclear é frequentemente caracterizada como impedimento a guerra entre duas ou mais potências nucleares. Mas conceitos estabilizadores como Destruição Mútua Assegurada não existem no mundo de Martin. Sendo a única com dragões, Daenerys saca cidades e incute o terror em seus adversários. Seu ancestral, Aegon, o Conquistador, era o único possuidor de dragões quando sua invasão mirou uma fortificação de pedra maciça; suas muralhas derreteram sob intenso fogo de dragão e agora existem sob um legado de maldição, como as tempestades de fogo que arrasaram Hiroshima e Nagasaki. Essas cidades se recuperaram em grande parte, mas o legado das doenças por radiação e do câncer perdura até hoje.
Os otimistas que aceitam as armas nucleares como uma influência estabilizadora insistem que, por sua própria natureza, essas armas fazem com que os líderes racionais de regimes estáveis mantenham controle estrito sobre os arsenais de seus estados e moderem seu comportamento - ou correrão risco de retaliação. Isso leva à pergunta: o que acontece quando as armas nucleares estão nas mãos de líderes irracionais, países menos estáveis ou agentes não estatais? Felizmente para Westeros, seu "Rei Louco" não tinha dragões à sua disposição. "Queime todos eles", ele rosnou enquanto ordenava que sua cidade fosse incendiada em vez de se render - mostrando como as ameaças retaliatórias pouco significam para alguém determinado à violência suicida.
Waltz rejeitou essas preocupações porque “em um mundo nuclear, agir de maneira descaradamente ofensiva é loucura”. Nestas circunstâncias, quantos generais obedeceriam aos comandos de um louco? Um dos principais personagens da série, Jaime Lannister, desonerou seu Rei Louco do comando ao invés de executar tais ordens, mas só é necessário um general obsequioso para iniciar o Armagedom.
Pois o efeito de tal armamento é devastador. O general Curtis Lemay, ex-chefe do Comando Aéreo Estratégico dos EUA, disse certa vez: “entre o pôr do sol de hoje e o nascer do sol amanhã de manhã, a União Soviética provavelmente deixaria de ser uma grande potência militar ou mesmo uma grande nação” se ele pudesse soltar sua bateria nuclear. O lema da família Targaryen “Fogo e Sangue” poderia facilmente ter enfeitado as bandeiras da Casa Lemay.
Limites ao poder bélico de dragões. Armas nucleares podem ajudar a prevenir ameaças existenciais, mas elas têm uso limitado em outras operações militares ou em metas de política externa. Como o personagem de Tywin Lannister refletiu, um “nenhum dragão ganhou uma guerra em 300 anos. Exércitos as vencem o tempo todo”.
Mesmo com seu triunvirato de dragão, Aegon, o Conquistador, não conseguiu forçar um reino resistente a dobrar o joelho. A maioria dos reinos fictícios de Thrones oferece um ambiente “rico em alvos”, com populações consideráveis vivendo em castelos e buscando estratégias adequadas para a batalha em campo aberto. O reino de Dorne, no entanto, consistia em uma paisagem rochosa, montanhosa, árida e desértica com cidades relativamente pequenas, populações dispersas e amplos esconderijos - o que o tornava mais resistente ao poder bélico de dragões. Após uma guerra prolongada, Aegon encerrou sua campanha porque seus exércitos foram repetidamente emboscados por combatentes da resistência que continuaram se retirando para o interior antes que os dragões pudessem chegar. A paz só foi alcançada através da diplomacia um século mais tarde, e a região preservou um grau mais amplo de costumes e liberdades do que o resto dos Sete Reinos, onde a maior parte da série acontece.
De maneira semelhante, durante a Guerra do Vietnã, os militares dos EUA enfrentaram uma campanha prolongada de guerrilheiros insuscetíveis ao estoque nuclear dos EUA. Um relatório secreto de 1967 produzido pelo grupo JASON determinou que as armas nucleares não ofereceriam nenhuma vantagem militar decisiva. O Vietnã era "pobre em alvos", com linhas de abastecimento difusas e tropas dispersas. Nosso envolvimento terminou quando os Acordos de Paz de Paris declararam que “os Estados Unidos e todos os outros países respeitam a independência, a soberania, a unidade e a integridade territorial do Vietnã”.
De mesma maneira bem parecida, uma Daenerys cheia de turbulência e inabalável confiança toma a antiga cidade de Meereen à força; ninguém ousa desafiar abertamente sua nova rainha ou arriscar a ira de um dragão. No entanto, quando ela começa a se defender, Daenerys encontra dilemas e desafios políticos em que os dragões oferecem pouca ajuda. Vários fãs comparam a luta de Daenerys para alimentar seu povo e acabar com uma insurgência local com a experiência dos EUA no Iraque e sobre as aventuras da União Soviética no Afeganistão. Nesses teatros, as armas nucleares eram inadequadas para alcançar objetivos específicos de política externa. Daenerys acaba confiando em seu exército para conduzir operações de contrainsurgência, e na diplomacia para alcançar uma paz desconfortável com seus vizinhos.
Comando e controle. Enquanto dizem que os senhores de dragão controlam suas feras com “chicote, cornos e feitiçaria”, o sistema de Comando e Controle Nuclear dos EUA depende de uma complexa infraestrutura de “planejamento, direção e controle de operações de armas nucleares das forças militares e das atividades que apoiam essas operações”. Quando Daenerys perde um dragão e aprisiona dois outros, isso leva a um estado de coisas semelhante ao desarmamento unilateral, já que ela não é mais capaz de controlar seu armamento. Se seus dragões se tornarem selvagens demais para ouvir sua mãe, os rivais poderão ver seu arsenal degradado a ponto de não ter a capacidade de mirar e lançar fogo. Os dragões não precisam de mira precisa para acertar os alvos, mas os senhores de dragão são apenas senhores de dragão se mantiverem um controle firme sobre seus sistemas de comando e controle.
Manter tal autoridade é difícil com vários personagens tentando controlar os dragões de Daenerys para suas próprias ambições geoestratégicas. Os filmes de ação de Hollywood estão repletos de conspirações sobre cientistas descontentes, terroristas, elementos do governo desonestos ou supercomputadores mal-intencionados tentando iniciar uma guerra nuclear com as bombas de outra pessoa.
No entanto, os dragões são cobiçados, mesmo que sejam itens difíceis de adquirir. Os proprietários de escravos em Astapor esperavam trocar um dos dragões de Daenerys por seu exército de super-soldados. Em vez disso, eles descobriram que um "dragão não é um escravo" e sua compra saiu pela culatra.
Segundo o professor da Universidade Estadual de Ohio, John Mueller, é improvável que os fornecedores nucleares confiem suas preciosas bombas a grupos que não consigam controlar totalmente. No mínimo, da próxima vez que alguém quiser comprar um dragão para uso pessoal, eles devem verificar se ele vem equipado com um interruptor de segurança ou qualquer coisa que impeça o uso não autorizado.
Uma lição que Daenerys deveria aprender é o valor dos investimentos em segurança nuclear. Durante uma estadia prolongada em uma antiga cidade comercial, seus adversários contornam os protocolos mínimos de segurança de Daenerys e roubam seus dragões. Sem a ajuda de algo como uma equipe de apoio a emergências nucleares, ela perambula pela cidade por dias antes de levá-los para casa. Ela perde o controle novamente quando seu maior dragão escapa.
Daenerys passa a lamentar o quão selvagem seus dragões se tornaram quando problemas domésticos desviam sua atenção de sua administração. Alyssa Rosenberg, escritora de cultura pop do The Washington Post, comparou esses dragões com livre circulação a “material físsil à solta”. Diante de uma situação semelhante na vida real, o presidente Barack Obama iniciou uma série de cúpulas sobre segurança nuclear para fazer um “esforço sério e continuado” para proteger material nuclear vulnerável em todo o mundo. Daenerys talvez devesse reunir conselheiros com uma agenda semelhante.
Pais orgulhosos. Depois de uma era centenária sem dragão, Daenerys proclama-se uma orgulhosa "mãe dos dragões". Hugh Gusterson, colunista do Bulletin e autor de People of the Bomb: Portraits of America’s Nuclear Complex, foi atingido pela "ausência de metáforas da morte e a superabundância de metáforas do nascimento” na emergente cultura de armas nucleares. O secretário de Estado Henry Stimson informou Winston Churchill sobre o primeiro teste nuclear com a seguinte nota: "os bebês nasceram a contento".
A felicidade precoce da paternidade - tanto para as bombas nucleares quanto para os dragões - acabou se desgastando à medida que a força destrutiva dessas armas se tornava aparente. Quando um pai de luto diz a Daenerys que um dragão comeu seu filho, ela fica horrorizada e tenta enjaular seus filhos de temperamento quente. Alguns cientistas nucleares intimamente envolvidos no Projeto Manhattan, como Niels Bohr, Hans Bethe e outros, expressaram preocupação com os perigos nucleares e fizeram lobby contra o uso do que haviam criado.
Perto do final do último livro de Martin, a busca da visão de Daenerys parece convencê-la a abraçar a tradição de conquista dos Targaryen. Reconciliada com seu dragão rebelde, ela aponta seu olhar para Westeros. Ao contrário de alguns de seus colegas do Manhattan Project, o físico Edward Teller perseguiu uma bomba de hidrogênio mais avançada, também conhecida como “Super”. Quando os Estados Unidos testaram essa bomba no Atol de Bikini durante a Operação Castelo em 1954, seu rendimento explosivo foi significativamente maior do que o esperado e espalhou precipitação radioativa por milhas. Muitas pessoas mais tarde sofreram de doença ou morte por radiação, incluindo membros da tripulação a bordo de um barco de pesca japonês chamado Fukuryu Maru - o “Dragão da Sorte”.
Se você brinca com fogo... Armas nucleares e dragões são perigosos mesmo em tempos de paz. Solarestival, um castelo em ruínas outrora usado pelos Targaryens como casa de veraneio, foi palco de uma misteriosa tragédia paralela ao desenvolvimento inicial da bomba nuclear. Membros da família Targaryen acidentalmente desencadearam uma calamidade que matou um de seus ancestrais durante um experimento para trazer dragões de volta ao mundo deles.
Da mesma forma, um relatório da Comissão de Energia Atômica dos EUA afirma que houve 26 ocorrências de exposições acidentais de radiação em experiências nucleares e seis mortes devido a acidentes de criticidade de 1943 a 1970. Em 1946, Louis Slotin, um cientista envolvido no Projeto Manhattan, sofreu uma dose letal de radiação ao calcular a massa crítica na qual ocorre uma reação em cadeia nuclear. O nome da técnica usada neste procedimento: Fazer Cócegas na Cauda do Dragão.
Os dragões de Daenerys são bastante populares entre os fãs dos livros e séries de TV. Se eles apreciam os fortes temas antiguerra adotados por Game of Thrones, eles podem optar por se compadecer pelo dilema de Daenerys ao invés de cobiçar seus rebentos. Martin disse que suas histórias tentam se um testemunho não apenas a glória da guerra, mas das consequências horrendas da violência - sobre inimigos, espectadores inocentes e, finalmente, sobre si mesmo. Dada essa perspectiva e os paralelos nucleares, seus dragões emergem como um dispositivo de enredo cheio de nuances; ao invés de simplesmente criaturas “legais” (ou excitantes), elas são criaturas complexas que podem ameaçar um personagem ou a população como um todo. Quando os livros e os shows terminarem, não seria surpreendente que os dragões de Daenerys tenham um fim trágico, como tantos personagens amados na série; os dragões poderiam se voltar contra seus senhores, Daenerys poderia ter que sacrificá-los em nome da paz, ou os dragões poderiam desencadear desolação involuntária em Westeros. Armas nucleares e dragões podem ajudar a conquistar, mas eles não podem garantir um governo pacífico e estabilidade.
Uma guerra nuclear em nosso mundo primeiro envolveria as cidades em chamas e depois inauguraria um inverno nuclear de uma geração - nosso canto do cisne de gelo e fogo da vida real.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2018.10.10 02:50 piraibajunquera [DESABAFO] [ROMANTIZADO] [FANFIC] [F4A] Um relato de minha degradação mental

Naquele momento eu era como uma mulher segurando banner de político na sinaleira, uma prostituta ideológica. Silêncio por fora, com um bonezinho pra proteger o coco, mas gritando de agonia internamente por estar fazendo propagando do Nelsinho Ciqueira do PDSDTB mesmo preferindo o Adair Junqueira do PSCPSNLB. A puta ideológica tem, ao menos, o álibi do dinheiro, o suor que escorre pela testa dela é de calor. O suor que escorre por meu corpo não é de calor ou cansaço, é de gozo e angústia que ferve em minha pele e evapora em culpa, não tenho álibi, sequer justificativa razoável, fiz o que fiz por prazer. Quero me levantar e lavar o rosto, mas não sei se vou conseguir me olhar no espelho depois disso. *E foi assim, caro diário, que começou minha compulsão. Eu, de pernas abertas em frente ao computador, o pecado em meu corpo, a culpa em minha cabeça e na tela a fanfic do Faustão e Selena Gomez.*

Fiquei em frente ao espelho e passei a mão por meu rosto. As bochechas, o nariz e os lábios eram os mesmos, eram meus, mas não os olhos. Quando eu olhava neles enxergava os olhos de alguém que havia visto muito mais do que eu jamais ousara ver. Olhos que testemunharam uma angústia impossível de ser descrita em palavras. Eram olhos jovens que tinham em si o desgaste de uma vida toda de arrependimentos. *E foi assim, caro diário, que percebi que meu antigo eu estava morto. Meu ego queimado vivo, meu superego perdido em meio às chamas, meu id, com o fósforo na mão, havia incendiado tudo, até ele mesmo. A única coisa que não queimara fora, além de minha pretensiosidade em usar termos de psicanálise sem bem entende-los, a semente do pecado que nascia em mim. Aqueles olhos eram meus, mas eu não tinha coragem de aceitar.*

Apesar do choque, decidi agir como se nunca tivesse feito o que fiz e fui dormir. Mas não houve uma vez sequer em que eu fechava os olhos sem ouvir a voz do Faustão. Ele acariciava meus tímpanos com seus comentários políticos genéricos e me interrompia toda vez eu eu tentava dormir, assim como interrompia Selena quando ela tentava sussurrar também. Quando acho que enfim encontrei paz a luz do quarto acende e vejo eles diante de mim. Faustão e Selena nus. Ela, de joelhos em frente a ele, não chupava seu instrumento, mas linguava seu umbigo, umedecendo os pelos grossos que rodeavam a cratera e carregando na ponta da língua as sujeirinhas umbilicais que mostrava para mim como se fossem troféus. Senti algo quente e úmido. Acordei e percebi que meus lençóis estavam molhados. Aquilo não fora um pesadelo.. fora sonho, não era urina que impregnava meus lençóis, mas pecado. *E foi assim, caro diário, que decidi abraçar a escuridão. Se meus anseios mais intensos e absolutos clamam por um apresentador de programa de auditório é isso que eu terei, mas não há de ser Faustão. Não. Ele é símbolo de humildade, é o cavaleiro branco do povo brasileiro. Eu quero o caos, a volúpia, a sujeira, um apresentador não tão desleixado a ponto de ser uma pedra 90, mas não muito preso às regras como um vinho ou cerveja, algo mais como um uísque, uísque 39%. Um tapa na cara, um tapa na buceta, um machismo subconsciente e um sorriso bonito no rosto. Um apresentador para todos dominar. Foi então que ressoou do fundo da minha mente uma voz: “Quem quer dinheiro???”*
submitted by piraibajunquera to circojeca [link] [comments]


2017.12.23 04:02 kreator_br Jornal da Globo fala sobre demissão e afastamento de William Waak da emissora - 23/12/2017

https://www.youtube.com/watch?v=bLGHpPPZh_8
Renata Lo Prete, 53, assume oficialmente a bancada do "Jornal da Globo" com a saída do jornalista William Waack. A mudança dos âncoras foi anunciada nesta sexta-feira (22) pelo diretor-geral de jornalismo da Globo, Ali Kamel.
"Renata levará todo o seu talento e experiência para o Jornal da Globo, um telejornal que nos últimos anos se consagrou por ser aquele que, ao fim do ciclo diário de notícias, dá ao espectador o conforto de ter diante de si um quadro mais fechado dos acontecimentos, com muita análise e contextualização", disse Kamel, em comunicado aos funcionários.
Lo Prete, que vinha apresentando o "Jornal da Globo" como interina, passa imediatamente após o Natal a ser a titular da bancada. Em seu comunicado, Kamel também elogiou a jornalista. "Renata, em sua interinidade, já demonstrou que brilhará no 'JG' como brilhou antes."
Além de ser a substituta oficial de Waack, Lo Prete também era apresentadora, editora e comentarista de política do "Jornal das Dez", da GloboNews. Com a sua saída, o jornalista Heraldo Pereira assume o seu lugar.
Formada em jornalismo pela USP (Universidade de São Paulo), em 1984, Renata Lo Prete também já passou pela Folha, onde foi repórter, correspondente de Nova York, editora da Primeira Página, Ombudsman e editora da coluna "Painel". Em 2005, Lo Prete foi a vencedora do Prêmio Esso de Jornalismo pela entrevista na Folha com o ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB-RJ) que revelou ao país o "escândalo do mensalão".
TV Globo e o jornalista William Waack divulgaram o seguinte comunicado.
"Em relação ao vídeo que circulou na internet a partir do dia 8 de novembro de 2017, William Waack reitera que nem ali nem em nenhum outro momento de sua vida teve o objetivo de protagonizar ofensas raciais. Repudia de forma absoluta o racismo, nunca compactuou com esse sentimento abjeto e sempre lutou por uma sociedade inclusiva e que respeite as diferenças. Pede desculpas a quem se sentiu ofendido, pois todos merecem o seu respeito.
A TV Globo e o jornalista decidiram que o melhor caminho a seguir é o encerramento consensual do contrato de prestação de serviços que mantinham.
A TV Globo reafirma seu repúdio ao racismo em todas as suas formas e manifestações. E reitera a excelência profissional de Waack e a imensa contribuição dele ao jornalismo da TV Globo e ao brasileiro. E a ele agradece os anos de colaboração."
Ali Kamel, diretor de jornalismo da TV Globo
William Waack, jornalista e apresentador de programas jornalísticos da TV Globo
submitted by kreator_br to brasil [link] [comments]


2017.08.11 18:49 feedreddit O louco com armas nucleares é Donald Trump, não Kim Jong-un

O louco com armas nucleares é Donald Trump, não Kim Jong-un
by Mehdi Hasan via The Intercept
URL: http://ift.tt/2vX0Xkt
Para variar, Donald Trump tem razão. “Nós não podemos deixar um louco com acesso a armas nucleares livre desse jeito”, ele disse ao presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, de acordo com a transcrição de sua bizarra conversa telefônica que foi vazada ao The Intercept em maio.
O homem louco ao qual o presidente americano estava se referindo, é claro, era o ditador norte-coreano Kim Jong-un. No entanto, o insano que deve nos preocupar é o próprio Trump, que – antes que nos esqueçamos – tem acesso exclusivo e irrestrito para lançar quase mil ogivas nucleares em uma questão de minutos, caso queira.
A maioria dos especialistas em não proliferação nuclear – assim como o ex-presidente Jimmy Carter e vários ex-oficiais do Pentágono e Departamento de Estado, tanto republicanos quanto democratas – concorda que o brutal e assassino Kim, por mais que se gabe, não chega a ser irracional ou suicida e tende a querer defender seu regime e evitar um ataque americano. Armas nucleares são para fins defensivos, e não ofensivos, além de serem uma ferramenta para a liderança norte-coreana – a qual William Perry, secretário de Defesa de Bill Clinton, avaliou na Fox News, em abril, como “brutal e descuidada”, mas “não maluca”.
Entendeu? Kim é mau, não maluco.
O mesmo não pode ser dito em relação a Donald, no entanto. Acha que eu estou sendo injusto? Em fevereiro, um grupo de psiquiatras, psicólogos e agentes sociais escreveram para o New York Times dizendo que “a severa instabilidade emocional indicava que o discurso e as ações do sr. Trump o faziam incapaz de atuar, com segurança, como presidente”. Em abril, outro grupo de especialistas em saúde mental disse, em uma conferência na Faculdade de Medicina de Yale, que Trump estava “paranoico” e “delirando”, além de dizer que o presidente sofre de uma “séria doença mental”.
Seria então surpreendente que tantos relatos recentes sugiram que os sul-coreanos estão mais preocupados com Trump do que com a ameaça representada por seu hostil e paranoico vizinho?
Pessoas assistem à transmissão de um pronunciamento do presidente americano, Donald Trump, em uma estação de trem em Seul, Coreia do Sul na última quarta (9).
Photo: Lee Jin-man/AP
Levem em consideração a reação de Trump, esta semana, a um relatório confidencial da inteligência dos EUA – publicado pelo Washington Post –, que dizia que a República Popular Democrática da Coreia agora é capaz de construir uma ogiva nuclear pequena o suficiente para caber em um míssil. “É melhor a Coreia do Norte não fazer mais ameaças aos Estados Unidos”, comentou o presidente em resposta a um repórter no Bedminster Golf Club, na terça-feira. “Eles vão se deparar com fogo e fúria, de uma forma inédita no mundo. Ele foi além do normal em suas ameaças. E, como eu disse, eles vão ser combatidos com fogo, fúria e, francamente, com uma força maior do que qualquer outra já vista neste planeta.”
Como dizer que essa reação do líder do Mundo Livre não é desmedida? Em maio, ele disse que se sentiria “honrado” em conhecer Kim e o chamou de “um cara sagaz”. Em agosto, ele tirou uma folga das suas férias no clube de golfe para casualmente fazer uma ameaça de aniquilação nuclear ao país de Kim (não com base em nenhuma ação agressiva da Coreia do Norte, e sim de suas ameaças).
Será que Trump entende a diferença entre agravar e desagravar uma crise nuclear? Vejam o que disse o senador republicano John McCain, que nunca abriu mão de bombardear, invadir e ocupar um “Estado vilão”. “Discordo das palavras do presidente”, McCain disse, na terça (8), quando ainda completou: “Esse tipo de retórica não é muito benéfica.”
Quão maluco você precisa ser para antecipar um ataque nuclear que nem McCain consegue apoiar?
Trump até que leva jeito para falar livremente sobre armas nucleares. Durante a campanha presidencial, em agosto de 2016, o apresentador da MSNBC e ex-congressista republicano Joe Scarborough revelou que Trump, ao longo de uma conversa de uma hora com um conselheiro sênior sobre política internacional, perguntou três vezes sobre o uso de armas nucleares. Em dado momento durante o encontro, de acordo com Scarborough, o então candidato republicano perguntou ao conselheiro o seguinte: “Se nós as temos, por que não devemos usá-las?”
Cobertura do teste de um míssil balístico intercontinental exibido em praça pública em Pyongyang em 29 de julho. Kim Jong-un enalteceu a capacidade da Coreia do Norte ter os EUA como alvo após o teste com o ICBM, que, segundo especialistas, poderia acabar com Nova York.
Photo: Kim Won-Jin/AFP/Getty Images
A atitude blasé e eufórica em relação à utilização da maior arma de destruição em massa já feita é um forte indicador da imaturidade, ignorância, beligerência e, sim, loucura de Trump. Diante de nós está um presidente impulsivo, inconstante e instável, cujas vida e carreira foram definidas pela falta de empatia. Vocês se lembrar da sua estratégia para derrotar o ISIS? “Bombardeá-los até a morte” e “acabar com suas famílias”.
Então, você realmente acha que ele se preocupou com a possível morte de civis quando deu seu aviso sobre “fogo e fúria”? Nem pensar.
Vejam o que disse o suprassumo republicano, senador e colega de McCain, Lindsay Graham. “Se houver uma guerra a ser detida [Kim], vai ser por lá”, Graham disse a Matt Lauer, da NBC, na semana passada, em relação à recente conversa que teve com o presidente. “Se mil morrerem, vão morrer lá. Ninguém vai morrer por aqui – e ele falou isso na minha cara.”
“Isso é loucura”, disse Kingston Reif, especialista em desarmamento nuclear da Associação de Controle de Armas, em um tuíte em resposta ao relato de Graham sobre sua conversa com Trump. “Loucura pura.”
Lembrem-se de que, há 72 anos, os Estados Unidos lançaram a segunda bomba atômica no Japão, matando 39 mil pessoas em Nagasaki. Três anos antes disso, a primeira bomba atômica matou cerca de 66 mil pessoas em Hiroshima. No entanto, uma guerra nuclear na Coreia faria os ataques a Hiroshima e Nagasaki parecerem brincadeira de criança. Especialistas dizem que, mesmo que a guerra entre os EUA e a Coreia do Norte não envolva armas nucleares, ela mataria mais de 1 milhão de pessoas. Em caso de guerra nuclear, o número saltaria para dezenas de milhões de mortes. O conselheiro de segurança nacional de Trump, H.R. McMaster, admitiu que um ataque precoce por parte dos EUA seria uma “catástrofe humatinária”.
Mas o presidente se importa? Graham acha que não. O ex-escritor-fantasma de Trump, Tony Schwartz, que passou 18 meses em sua companhia trabalhando em “Trump: A Arte da Negociação”, chamou o presidente de “sociopata”. Na verdade, há uma frase que se destacou no popular relato de Schwartz em entrevista ao New Yorker, em julho de 2016, e que é aterrorizante. “Eu genuinamente acredito que, se Trump vencer e tiver acesso aos códigos nucleares, isso vai significar o fim da nossa civilização”, disse Schwartz.
Não podemos dizer que não fomos avisados.
Foto principal da matéria: Pessoas segurando cartazes e protestando em apoio ao posicionamento da Coreia do Norte em relação aos EUA na Praça Kim Il-sung, em Pyongyang, em 9 de agosto de 2017.
The post O louco com armas nucleares é Donald Trump, não Kim Jong-un appeared first on The Intercept.
submitted by feedreddit to arableaks [link] [comments]


2017.08.03 18:27 feedreddit Dois anos depois, Congresso conclui o plano das elites ao proteger Temer: terminou a sangria

Dois anos depois, Congresso conclui o plano das elites ao proteger Temer: terminou a sangria
by Glenn Greenwald via The Intercept
URL: http://ift.tt/2vlvjgu
Há pouco menos de um ano, um dos espetáculos políticos mais humilhantes que eu já vi aconteceu durante nove horas em Brasília. Na Câmara dos Deputados – casa cuja maioria dos membros estão envolvidos em investigações – um corrupto atrás do outro se postou diante das câmeras de televisão e declararam triunfalmente que sua consciência, sua religião, seu Deus, suas crianças, sua devoção a Jerusalém, a memória de suas mães, seus pastores, a pureza de suas almas, exigiam que eles punissem a corrupção retirando a Presidente eleita Dilma Rousseff de seu cargo.
Imagine a caricatura mais grosseira de um moralista em sua exuberante hipocrisia – um sacerdote que deixa a orgia semanal no prostíbulo de fé para ir diretamente à missa de domingo, ralhar contra os pecadores levantados do inferno – e você terá uma justa imagem da maioria dos que se pavoneavam ao púlpito naquele dia. O sebo que sai dos seus poros é palpável. Esses são os homens que anularam uma eleição nacional e agora governam o quinto país mais populoso do planeta.
Photo: Eraldo Peres/AP
Com um significado simbólico que não poderia ser imaginado por qualquer roteirista de cinema, aquele festival vulgar foi presidido pelo deputado Eduardo Cunha, um chefe de quadrilha do crime organizado atuando como legislador. Logo depois de ter planejado a queda de Dilma – que as elites da mídia nacional se unificaram para dizer que era baseada em uma legítima preocupação com a corrupção – Cunha foi preso, acusado de suborno, lavagem de dinheiro, intimidação de testemunhas e crime organizado. Em resumo, a classe política e os barões da mídia – a nata da corrupção – destruíram o país, efetiva e deliberadamente revertendo o resultado das urnas de 2014, insistindo que sua alta ética e o solene respeito pela lei não tolerava os artifícios econômicos banais que Dilma empregou para fazer a economia parecer mais forte do que realmente era. Não existem palavras para descrever a envergadura da fraude que foi todo aquele espetáculo.
Mas agora – precisamente ontem – eles mesmos deixaram clara a verdadeira natureza de seus atos e seu caráter. A pessoa que eles promoveram para governar o país, o Vice-Presidente Michel Temer – um tecnocrata de carreira medíocre – está se afogando em escândalos de corrupção desde que assumiu. Há dois meses foram reveladas gravações de Temer endossando pagamentos de propina, feitos pelo magnata dos frigoríficos Joesley Batista, a inúmeras testemunhas, incluindo seu colega de legenda Eduardo Cunha, para comprar seu silêncio.
Pense sobre isso: no país que fingiu estar tão moralmente ofendido pela manobra orçamentária de Dilma que precisou simplesmente derrubá-la do cargo, todos puderam escutar o Presidente empossado aprovando o pagamento de propinas para garantir o silêncio de testemunhas. As gravações foram reproduzidas na televisão.
Todos escutaram Temer, em sua própria voz, há poucas semanas, participando em crimes flagrantes. Ele foi imediatamente indiciado por Rodrigo Janot, Procurador da República, tornando-se o primeiro Presidente a ser formalmente denunciado por crimes comuns no exercício do mandato.
Um mês depois, surgiram evidencias de que Temer recebeu pessoalmente fartas propinas, com a revelação de um vídeo onde um de seus aliados mais próximos corre com uma mala cheia de dinheiro, após Temer determinar o pagamento de propinas. Como pode um país – em especial onde a elite passou um ano fingindo estar escandalizada com pequenas manobras orçamentárias – continuar sendo liderado por alguém que foi visto e ouvido recebendo propinas e silenciando testemunhas?

Em Brasília, tudo é possível. Ontem, a mesma Câmara dos Deputados que no ano passado votou pelo impeachment de Dilma, teve que decidir se suspendia Temer e o levava a julgamento por corrupção. Por um placar de 263 a 227 votos, os deputados se recusaram a fazê-lo, assegurando que Temer permaneça no poder. A votação de ontem foi presidida pelo sucessor de Cunha, o deputado Rodrigo Maia, do DEM (Democratas); Maia, é claro, está fortemente envolvido nas investigações sobre a corrupção no país.
Os mesmos pomposos deputados de direita e de centro que doze meses atrás se disfarçaram, sem nenhum pudor, com os trajes da ética, da religião e da moralidade se juntaram para garantir que seu criminoso de estimação, que governa o país, não sofra qualquer consequência. Agora ele não poderá sofrer as acusações até que deixe o cargo.
Com um simbolismo quase tão potente quanto o de Cunha presidindo o impeachment de Dilma, os votos dos deputados foram comprados por Temer usando dinheiro público. O Presidente passou os últimos dois meses fisgando, um a um, os deputados para dentro do Jaburu para dar-lhes um banho de generosidade até que eles aceitassem bloquear qualquer investigação. Este é o homem para quem as elites da mídia, em nome da luta contra a corrupção, conscientemente deram o poder. A piada é tão clara quanto trágica.
Diferentemente do que aconteceu no ano passado, quando queriam ser o centro das atenções, dessa vez eles correram como baratas para se esconder sob os armários da cozinha. Sabendo que quase todo o país (com exceção das oligarquias) odeia Temer e quer que ele caia – ele tem literalmente 5% de aprovação – a maior parte dos deputados fez sua sujeira da maneira mais envergonhada e furtiva possível. Poucos se dispuseram a falar em defesa de Temer. Rastejavam ao microfone quando seus nomes eram chamados e davam seu voto de propina com a maior discrição possível.
Além de mostrar ao mundo a metástase que continua crescendo no coração da classe política brasileira – que tipo de elite política decide deixar no cargo um Presidente flagrado em gravações aprovando propinas? – a votação de ontem derrubou de uma vez por todas as máscaras dos reais motivos pelos quais Dilma foi afastada.
Ao contrário do roteiro enganoso criado e disseminado pelos bem-pagos propagandistas da elite da mídia, o impeachment tinha dois, e apenas dois, motivos: 1) proteger a classe política das investigações sobre a corrupção através do empoderamento das figuras mais corruptas, permitindo que eles estancassem a investigação, e 2) servir aos interesses dos plutocratas domésticos e dos financistas internacionais, “reformando” programas sociais voltados aos mais pobres em nome da “austeridade”.

O aspecto mais marcante dos últimos dois dramáticos anos na política é que o áudio de Jucá – outro dos aliados mais próximos de Temer – no qual ele descreve claramente os reais motivos e objetivos do afastamento de Dilma, foi revelado em meio à crise do impeachment. Remover Dilma, disse Jucá pensando que falava em segredo, permitiria um “pacto nacional” – endossado pelo STF, a mídia corporativa e os militares – através do qual a investigação seria liquidada, e o país poderia seguir em frente.
Depois da revelação desta gravação comprometedora, Jucá teve que renunciar ao Ministério do Planejamento, que havia recebido de Temer; mas sua renúncia tece curta duração, porque todos – juízes, generais, e apresentadores dos telejornais – sabiam que o enredo que ele descreveu realmente era aquele que todos haviam assinado quando removeram Dilma. Logo depois, Jucá se tornou o líder do governo de Temer no Senado. E o enredo que ele descreveu tão perfeitamente – para liquidar as investigações e proteger e dar poder aos criminosos – tinha sido seguido à risca, culminando na votação de ontem para proteger o Criminoso Supremo.
Alguns meses atrás, o mesmo congresso que fingiu indignação com a manobra orçamentária de Dilma aprovou leis para enfraquecer as investigações sobre a corrupção, e agora há rumores de que políticos corruptos poderão processar o Procurador que os indiciou. Exatamente como nos Estados Unidos – onde as únicas pessoas que vão para a prisão por crimes de guerra são aquelas que os expõem – com raras exceções, as únicas pessoas que pagarão um preço pela corrupção sistêmica do Brasil são aqueles que a expuseram. Esse era o esquema em todo o percurso da remoção de Dilma, e ninguém sequer se incomoda em negar. Como podem?
Mas o prêmio maior de tudo isso – como sempre – é a recompensa aos oligarcas e a punição aos mais pobres do país. Em uma admissão notável literalmente ignorada pela mídia brasileira corporativa, Temer foi a Nova York em setembro e, falando a um grupo de investidores e a elite da política estrangeira, explicitamente admitiu que o motivo real do impeachment de Dilma foi sua resistência em aplicar uma maior austeridade.
Toda vez que Temer parece estar em risco, a moeda brasileira e o mercado de ações são punidos; quando parece que ele sobreviverá, eles se fortalecem. Isso é porque ele é o instrumento da austeridade. O Ministro da Fazenda de Temer não desperdiçou tempo depois da votação para anunciar que as “reformas” de austeridade que eles estão desesperados para impor serão novamente apresentadas, agora que Temer está a salvo.
Temer é a cria da classe oligárquica brasileira e sua mídia dominada. Ela esteve tão dedicada ao seu empoderamento – e também à coalização de direita que perdeu múltiplas eleições mas, apesar disso, magicamente passou a governar o país através de Temer – que uma de suas mais brilhantes estrelas, Eliane Cantanhêde, igualou a oposição a Temer à traição ao país, dizendo que “o esforço para derrubar Temer, neste momento, é trabalhar contra o Brasil”. Em certo sentido, há uma justiça do karma aqui: o Brasil tem a classe política, e seus líderes corruptos e manchados, que refletem perfeitamente o caráter da elite oligárquica que governou o país com punhos de ferro por décadas.
Mas em um sentido muito mais profundo, o que eles fizeram é uma tragédia difícil de engolir: milhões de seres humanos, nascidos em uma sociedade terrivelmente estratificada, que não tiveram qualquer perspectiva por gerações, finalmente tiveram, durante a última década, um lampejo de esperança, para agora vê-la sendo engolida e extinta pela mesma classe dominante de ladrões e mentirosos, os únicos responsáveis pela eterna situação de desigualdade e miséria para a maioria.
The post Dois anos depois, Congresso conclui o plano das elites ao proteger Temer: terminou a sangria appeared first on The Intercept.
submitted by feedreddit to arableaks [link] [comments]


2017.06.08 23:33 Occy_ Emissoras negociaram apoio a Temer em troca de punição à TV por assinatura

Executivos da Record, SBT e RedeTV! negociaram com o ministro Wellington Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência da República, apoio ao presidente Michel Temer em troca de uma punição, por parte da Anatel, às operadoras de TV por assinatura. Eles ofereceram cobertura favorável ao governo federal e apoio no Congresso Nacional desde que os técnicos da Agência Nacional de Telecomunicações mudem de opinião e emitam pareceres favoráveis ao ressarcimento de dinheiro aos assinantes que deixaram de receber as três redes via cabo ou satélite, em São Paulo e Brasília, no final de março.
A notícia, publicada nesta quinta-feira (8) pelo jornalista Samuel Possebon, do site Teletime, foi confirmada por fontes ligadas às operadoras e às emissoras, ouvidas pelo Notícias da TV. Interlocutores das empresas de TV por assinatura relatam terem ouvido de técnicos da Anatel que o presidente da agência, Juarez Quadros, teria determinado a produção de uma nota técnica recomendando o ressarcimento aos assinantes, o que causaria prejuízo às operadoras.
A ordem teria chegado logo após Quadros se reunir com Moreira Franco, em 24 de maio. Na véspera, três altos executivos de Record, SBT e RedeTV! conversaram com Moreira Franco e teriam combinado o apoio jornalístico e político. Entre deputados da bancada evangélica, sob influência da Igreja Universal (Record), e parlamentares donos de emissoras ligadas às três redes, a bancada da Simba teria 80 votos na Câmara dos Deputados.
Simba é o nome da empresa que as redes criaram no ano passado para negociar seus sinais digitais com as operadoras de TV por assinatura. Em março, com o desligamento do sinal analógico em São Paulo, a Simba decidiu cortar os sinais das três redes nas principais operadoras como forma de pressionar um acordo comercial.
Inicialmente, a Simba pediu R$ 15 mensais por assinante pelo conteúdo da RedeTV!, SBT e Record. Como a estratégia de confronto não deu certo (as emissoras perderam audiência e as operadoras quase não registraram queda nas assinaturas), a Simba já reduziu esse valor para R$ 1,50, conforme o Notícias da TV revelou em maio.
A pressão sobre a Anatel já vem refletindo nas negociações com as operadoras. Nas últimas reuniões, a Simba sugeriu que seria vantajoso às empresas de TV paga aceitar os R$ 1,50, porque a Anatel poderia arbitrar um valor maior. Uma das referências é uma decisão do Juizado de Pequenas Causas de Itaquera, na zona leste de São Paulo, que determinou à Net o desconto de R$ 7,50 sobre a mensalidade de uma assinante descontente com a perda de Record, SBT e RedeTV!.
Se fecharem com a Simba por R$ 1,50 por assinante, as operadoras terão um custo extra anual de R$ 342 milhões quando o país estiver 100% com TV digital. Por R$ 7,50, essa conta subiria para R$ 1,7 bilhão.
Ocorre que as áreas técnicas da Anatel, embora ainda não tenham emitido nenhum parecer oficial, não concordam com o ressarcimento aos assinantes pela perda de Record, SBT e RedeTV!.
Isso porque entendem que a legislação tratava essas emissoras, até 2011, como obrigatórias e gratuitas (as operadoras tinham que levá-las de graça aos seus assinantes). Portanto, não há o que restituir se não havia cobrança. A partir da lei 12.485/2011, as emissoras passaram a ter o direito de cobrar pelos sinais digitais, o que está sendo negociado agora.
Os relatos dos técnicos da Anatel sobre o acordo entre as emissoras e o governo Temer deixou executivos das operadoras escandalizados. Uma delas estuda a contratação de advogados criminalistas. Cogita-se também acionar o Ministério Público Federal.
Uma outra frente de pressão das emissoras no governo federal é a Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor), do Ministério da Justiça. Nesta quinta-feira (8), o Ministério da Justiça divulgou que instaurou processos administrativos contra Sky, Net, Claro TV e Oi para "apurar possíveis ofensas aos direitos dos consumidores" pela supressão dos sinais das três redes.
Procurado, o ministro Moreira Franco não se pronunciou até a conclusão deste texto. A Simba, em nota, disse que "a informação é absurda e totalmente improcedente". Ao site Teletime, Juarez Quadros, da Anatel, negou ter recebido qualquer tipo de pressão do governo federal para agir contra as operadoras e a favor da Simba.
Ao Notícias da TV, a assessoria de imprensa da Anatel disse que a única posição que tem sobre o assunto é uma nota publicada em seu site em 17 de maio. Na nota, a Anatel relata ter recebido denúncia do Inadec (Instituto Nacional de Defesa do Consumidor) questionando os direitos do consumidor diante do corte das três redes na TV paga. O Inadec é ligado ao deputado Celso Russomanno, apresentador da Record.
submitted by Occy_ to brasil [link] [comments]


Negão da BL se irrita com apresentadores ao discutir ...